28 de abr de 2012

Paz ao meu desconhecido


Amanhã haverá uma grande partida de futebol no Estado de Pernambuco. Estou falando do clássico Sport e Naútico. Nesse momento, a segurança pública deve estar reunida a elaborar medidas para coibir a violência. Porém, a segurança pública, o governador, a defesa civil, todos eles iram falhar feio. Na verdade, sempre irão falhar. E não digo isso por puro pessimismo, que me parece ser uma qualidade em certos momentos, mas vejo que o problema se encontra nas paixões e nas frustrações de uma vida oprimida. Quando esses elementos são alimentados pela exposição excessiva da mídia e pela falta de uma educação de qualidade, torna um esporte tão emocionante em campo de barbárie.

Amanhã, no final do jogo, haverá uma guerra. Sim! Haverá uma guerra. E o resultado...? Quem ganhou, quem perdeu, isso não importa. E nem importa se vai haver jogo ou não. O jogo em si é só um pretexto para alguém extremamente frustrado ferir um inocente ou um semelhante.

Mas, o que eu quero dizer é que amanhã haverá uma guerra. Se um xingamento tivesse o poder de modificar o outro, não haveria mais marginais nas nossas celas. E toda essa violência é para mostrar que alguém se enganou de time? Imagina! Ninguém muda de lado quando é ofendido. Então, para quer xingar o outro? Já disse, amanhã haverá uma guerra.

Porém, gosto de futebol. Gosto de ver uma partida e sei que o outro, aquele com cores diferentes da minha, também gosta. Mas é impossível conhecê-lo, pois ele se encontra longe demais dos meus pensamentos. Contudo, a minha consciência não. Ela se encontra aqui, ela está em todos os lugares aonde vou. E mesmo percebendo essa distância atroz, essa distância que faz com que o outro seja um sujeito eternamente desconhecido, reconheço certos aspectos. Por exemplo, a dor. Ele sente dor e a dor é um sentimento horrível e tudo que é horrível se chama dor ou dela pertence. Por isso, não desejo dor aquele sujeito que se encontra com seus amigos e sua família curtindo uma partida de futebol. Desejo paz, quero paz, para viver com ela todo momento, para ter a possibilidade de ser feliz, para um dia não mais pedir paz.

Nenhum comentário: