9 de abr de 2007

Criança no Paço: ateliê Fátima Manzi


Há dezoito anos, Fátima Manzi iniciava um trabalho utilizando-se da arte para suprir as necessidades da criança com dificuldades de aprendizado, crianças que simplesmente não tinham prazer no estudo, dispersas ou alheias ao conteúdo ensinado na sala de aula. Fez diversos cursos e pesquisas no intuito de melhor ajudar crianças com défict de aproveitamento escolar. Observou que a arte é um canal importante no melhor aproveitamento do potencial infantil em todos os campos de desenvolvimento, trazendo mais tarde benefícios também para aquele ser enquanto adulto. Ela narra um acontecimento interessante: quando sua mãe teve a amputação de uma das pernas diagnosticada como necessária, ela escutou apenas uma voz entre os médicos destoar da maioria, essa pessoa acabou por minimizar a intervenção e através de uma micro-cirurgia tornou a amputação desnecessária. Buscando respostas para aquele fenômeno, ela descobriu que aquele médico também era artista plástico. Ao seu ver, a experiência artística permitiu uma melhor avaliação do quadro de debilidade da sua mãe, pois o artista, para ela, desenvolve uma plasticidade cerebral que lhe permite um melhor exercício de suas funções não artísticas.

Há três anos atuando no Paço Alfândega, Fátima exerce, num espaço cedido pelo shopping gratuitamente, um trabalho com crianças de todas as faixas etárias e também com aquelas denominadas especiais. O trabalho se desenvolve em forma de cursos, sempre aos sábados, de uma às sete da noite, ou aleatoriamente, por meio do que ela chama de vivências (às sextas , sábados, domingos e feriados ). Cada curso tem a duração de seis horas e ocorre durante um mês de acordo com disponibilidade dos pais das crianças, que podem optar por fragmentar a carga horária em dois , três ou quatro sábados. As vivências, por sua vez, têm a duração de uma hora e custam dezoito reais.

Nesse projeto CRIANÇA NO PAÇO, Fátima Manzi procura despertar na criança o engajamento nas mais diversas formas de arte, utilizando de materiais por vezes requintados, tais como argila, mosaicos, telas, espátulas,etc. O objetivo, segundo ela, é fazer a criança se sentir um artista de verdade, com todo um arsenal a mão , para que ela mesma defina, de que maneira, e qual o material mais lhe apetece. A criança se sente estimulada e desafiada em contato com uma gama tão variada de objetos, texturas e cores. Os ganhos, num trabalho como esse, e quando há um mínimo de continuidade, são imediatos e são logo percebidos pelos próprios pais, em termos de aprendizagem, estudos, concentração, redação, etc. A criança especial, por seu turno, é, principalmente, estimulada, segundo Fátima, contando com, além de todo um aparato artístico, uma orientação pedagógica da própria Fátima de modo a conhecer ambientes e materiais aos quais ela não tem acesso no seu cotidiano.“Ninguém entrega um pedaço de pedra sabão para uma criança especial esculpir , por exemplo, aqui nós fazemos isso.”- diz Fátima Manzi.

O sonho de Fátima Manzi é levar a arte para todos e desmistificar o seu aspecto elitista. Hoje os adultos são atendidos apenas em cursos específicos , com hora marcada.

Há oito anos ela experimentou o fascínio e a surpresa de crianças de rua pelo seu trabalho artístico durante um curso numa grande livraria. Desde então, a sua busca incessante é de transmitir sua arte nos recantos menos favorecidos e trabalhar a criatividade também das crianças mais carentes. O grande problema é o custo operacional do empreendimento: “você levar um papel para uma criança, não vale a pena, de papel a criança está cheia. Mas leve pra ela uma tela, a reação será outra!-conclui Fátima, reafirmando sua vontade de tornar o mundo de crianças de todas as classes sociais mais cheio de vida, pleno em oportunidades, em arte e artistas para todos os gostos.


Fátima Manzi é artista plástica e pedagoga

Criança no Paço

por Fátima Manzi

De sexta a domingo, das 13h às 19h
Cursos especiais para adultos
Festas de aniversário
Curso de férias, em janeiro, de quinta a domingo.
Rua Alfândega, 35 - Bairro do Recife. Recife - PE
Telefone: 81-3419-7500

www.pacoalfandega.com.br


Texto de Marcos André Carvalho Lins
Imagens de Osvaldo Barreto

4 comentários:

Ana Karolina Pereira disse...

parabens pela entrevista. Este trabalho é uma coisa muito linda e realmente tem um resultado positivo. As crianças se sentem mais autoras então logo desenvelvem suas habilidades oprimidas pela falta de incentivo. Elas começam a praticar mais a paciencia, coletividade, coordenaçao... Só quem acompanha de perto sabe dos beneficios que a arte proporciona aos seus filhos.

Tenho certeza que este trabalho ultrapassará as barreiras socias pois temos vários artistas mirins ocultados nas periferias de nossa grande cidade que passarão a ver a vida com uma outra perspectiva, ou seja, com mais cores e brilho.

Marcos André Carvalho Lins disse...

obrigado pelo comentário,Ana Karolina.pensamos da mesma forma.
abraço,

Manoela P.C. disse...

Conheço o trabalho da Fátima, é realmente algo fabuloso!

Olá, sou a Evellyn! disse...

Cheguei aqui procurando pelo ateliê e adorei o blog, parabéns!