16 de out de 2007

Maracatu Leão coroado: uma cultura em apuros


Maracatu Carnavalesco Misto Leão Coroado, sociedade civil de caráter cultural, sem fins lucrativos , fundado na cidade do RECIFE EM 08 DE DEZEMBRO DE 1863, tem por objetivos participar de eventos carnavalescos, estudar, promover, defender e divulgar as manifestações carnavalescas, realizar documentação, pesquisas , estudos e divulgação das suas atividades; atuar junto a autoridades religiosas, políticas e educacionais no sentido do reconhecimento, prestígio e respeito às várias formas populares de expressão cultural, dentre outros.

Os maracatus, de uma maneira geral, surgiram, no Brasil, como uma espécie de insurreição velada contra a escravidão, os batuques davam vazão à saudade da Mãe-África e, dessa forma, protegiam a liberdade das almas conduzidas às nossas senzalas.

É interessante ressaltar que o Leão coroado vem servir também como pólo de aglutinação de negros depois da abolição, servindo-lhes como referencial e dispondo de meios para censurar a perseguição e defender o negro perseguido.

Conversando com mestre Afonso, atual dirigente do Leão, descobrimos um pouco mais sobre esse tão tradicional grêmio. Em primeiro lugar, segundo ele, o maracatu não possui um similar africano, é criação dos negros brasileiros e vinculado intimamente à religião dos escravos e seus descendentes. No caso do Leão, à seita nagô. Entre os diversos adereços estão as calungas ou bonecas, que são batizadas com nomes de antepassados importantes. Temos a calunga de dona Isabel , por exemplo, referente à princesa, que assinou a Lei Áurea. As calungas são escuras, confeccionadas em madeira e datam da fundação da agremiação. Os ancestrais ali representados, possuem a força do grupo e são denominados Eguns, ou seja, “o espírito de cada um, depois que morremos nos tornamos Eguns.”- explica o mestre Afonso. Há também de se compreender a diferença entre o Maracatu de baque virado e o de baque solto. O primeiro derivou diretamente do sincretismo religioso afro-brasileiro, e tem o batuque baseado nos toques e rituais religiosos africanos. O segundo tipo foi criado nos canaviais, embora possuam conexões religiosas de outro matiz.

Atualmente, o leão coroado não possui ainda uma sede própria, trabalha com dois computadores apenas, embora já tenha a estrutura montada para comportar um telecentro. Há aulas de mamulengo, de percussão e oficinas de confecção de instrumentos, entre outras atividades. Considerado patrimônio vivo pelo governo de Pernambuco, o Leão Coroado faz jus mensalmente a uma pensão vitalícia de mil e quinhentos reais, como pessoa jurídica. Além disso, também foi elevado à categoria de Ponto de Cultura, o que significaria , em tese , alguma verba do governo federal. Todavia, não se assistiu ao aporte de qualquer quantia via ministério da cultura, o que , segundo o mestre Afonso, está prometido para esse ano ainda.

Como um dos representantes maiores da Nação Nagô em Pernambuco, o maracatu Leão coroado deveria, assim como tantos outros, ser alvo de uma deferência especial por parte de todos. O Maracatu é um dos grandes ritmos da nossa terra, que mereceria sair do gueto e ser recebido com mais entusiasmo pela mídia , em particular , os veículos de difusão cultural pernambucanos, os quais, hoje, realizam muito pouco, ainda, por essa forma de expressão da nossa cultura.

Texto de Marcos André Carvalho Lins.
Imagem de Osvaldo Barreto.

2 comentários:

rosa disse...

Viva O Maracatu Leão Coroado! Obrigada pela matéria, Marcos, ficou muito boa. Abraços,rosa

sandra camurça disse...

Quem quiser conhecer um maracatu nação autêntico, não pode deixar de ver e ouvir o Leão Coroado. Salve o Maracatu Leão Coroado e seu mestre Afonso!

Muito bom e pertinente o texto, Osvaldo.

Um abraço.