27 de jul de 2007

Um grande poeta na Fenneart: Davi Teixeira

Ainda durante a Fenneart, conseguimos conversar com Davi Teixeira da Silva, grande poeta de Bezerros, interior de Pernambuco, que participou da feira para divulgar não só sua literatura em cordel como também seus mamulengos e xilogravuras. Há alguns anos sem conseguir emprego, Davi decidiu batalhar, pelo pão de cada dia, através de sua arte, principalmente os cordéis e bonecos.

Davi é do tipo empreendedor, vendeu um fusquinha e comprou um computador, para que seu filho pudesse ajudá-lo, uma vez que este compreende o suficiente de informática para a tarefa de editar seus textos e , de quebra, revisá-los. O autor é alfabetizado até a quarta série primária, mas seus textos passam, em linguagem popular, uma crítica aguçada da vida política do país. Segundo ele, seus cordéis são polêmicos, no campo político, devido à sua visão interiorana: “ eu sofri muito por causa de política, aquelas promessas que nunca chegam para poder ganhar o voto.” Ele cita o exemplo do seu cordel sobre mensalão que retrata, com a sua peculiar simplicidade, a perplexidade de todos os brasileiros diante dos fatos.(começo esse cordel com certa indignação / vendo o Brasil na lama / no centro do mensalão / enquanto o povo sofre / sem emprego / sem feijão...). Na sua opinião, ele apenas passa para a poesia o que assiste na televisão, em canais abertos, e o que vive no seu próprio cotidiano. Os cem anos do frevo, por exemplo, ele também colocou em cordel; são dele também As aventuras de lampião no inferno, ficção escrita a pedidos, e Dengue Laden, o mosquito terrorista, que já trata da questão de saúde pública, juntando a figura de Osama Bin Laden ao mosquito da dengue.

Davi aprecia Patativa do Assaré e Leandro Gomes de Barros, referenciais que possui, como inspiração, para a sua arte. “Patativa era tudo, era repentista, cordelista, poeta; e Leandro Gomes de Barros, fez mais de mil cordéis, vendia cordel para sustentar a família”, diz ele com uma ponta de orgulho dos seus companheiros de sina. “ A prefeitura do recife está fazendo um livro em homenagem a Leandro Gomes de Barros, do qual eu participo com um cordel, Assombrações dos anos setenta, sobre umas estórias que eu ouvia quando era menino.” Completa ele, com um sorriso, encerrando por ali um bate-papo pra lá de interessante!


Site oficial: www.daviteixeira.com

Texto de Marcos André Carvalho Lins

Nenhum comentário: